Baixo volume de água no maior açude do Brasil deixa centenas de famílias sem renda, de onde saía quase 10% da tilápia consumida pelos brasileiros.

  Quarta, 13 de março de 2019
  Jornal Nacional    |      

    Em cinco anos, o açude Castanhão, principal do Ceará, mudou muito. Está com apenas 3,5% da capacidade.

    O baixo volume de água no maior açude do Ceará e um dos maiores do país vem provocando a morte de milhares de peixes e tirando a única fonte de renda centenas de famílias.

    O momento era de recolher a produção e peixes, mas o que sai das gaiolas é só decepção. A imagem impressiona: mais de uma tonelada e meia de peixes mortos.

    "Aqui significa vários lotes. Cada lote com determinada quantidade de gaiolas com 800 a mil peixes em cada tanque. Quando você vê essa totalidade preenchida aqui por cima é porque foi 100% a perda", diz Livia Barreto, da Secretária de Desenvolvimento Econômico, Turismo, Quicultura e Pesca de Nova Jaguaribara, no Ceará. Um prejuízo de mais de R$ 8 milhões. Valor que os piscicultores esperam arrecadar até o fim de 2019.

    A mortandade pegou os piscicultores de surpresa na época do ano em que eles se programam para retirar os peixes das gaiolas e comercializar para o período de Semana Santa. Em 15 anos de produção no açude, é a primeira vez que isso acontece justamente agora.

    O baixo nível do açude, que está com 3,5% da capacidade, tem diminuído a oxigenação, piorando a qualidade da água. É o pior momento do lugar de onde saiam quase 10% da tilápia consumida pelos brasileiros; a maior produção do país.

    Em cinco anos, o açude Castanhão foi secando por causa da falta de chuva na região. Ainda assim, continua abastecendo Fortaleza e mantendo, pelo menos, 3 mil famílias que foram prejudicadas com a mortandade de peixes.

    O problema atingiu comunidades inteiras de piscicultores que vivem às margens do açude e só têm essa fonte de renda para família. "Tem uns aqui que comem, se almoçam não jantam. Têm filhos para cuidar, conta de energia para pagar. Isso é uma dificuldade para eles", diz Ernesto Góis, presidente da cooperativa dos produtores de peixe.

    Do jeito que o açude está fica difícil retomar a criação de peixes. Enquanto não houver chuva suficiente, o Castanhão vai continuar sem lembrar em nada os tempos de fartura.

Nossos parceiros
Nossos parceiros
Nossos parceiros
Nossos parceiros
SOBRE O SITE PAULO AFONSO | TEM

O site pauloafonsotem é formado por uma ótima equipe de colaboradores que fazem o site andar, deixando o mesmo sempre atualizado com notícias de qualidade para orgulhar cada vez mais todos os nossos internautas! Desde 2010 trazendo conteúdo e informação para você.
QUER ANUNCIAR?

Entre em contato, e faça a sua divulgação conosco! "QUEM NÃO É VISTO NÃO É LEMBRADO" Telefone: 75-98845-4011 | 75-99227-3793 ou se preferir E-mail: pauloafonsotem@hotmail.com!
PREVISÃO DO TEMPO

RECENTES POSTS

Todos os direitos reservados - Desenvolvimento: Ewerton Miranda